Tags

, , , , , , , ,

Editora Globo

A cada temporada vestidos, calças, blusas e saias ficam órfãos nas araras. Uma cor ousada, uma modelagem que não ficou boa, ou a fabricação em grande quantidade são alguns dos motivos para as sobras de roupas. As confecções para manter o posicionamento de público da marca, em vez de doar, preferem amontoar o excessode produção em algum armazém, esperando alguma oportunidade de venda, jogar no lixo e até queimar. Pensando em novas possibilidade de criação a estilista uruguaia Agustina Comas, 30 e a brasileira Gabriela Mazepa, 29 resolveram agir. Cada uma tem sua marca e seu estilo, em comum elas têm o intercâmbio internacional e compromisso com a sustentabilidade. A roupa rejeitada renasce com novo significado.

Editora Globo

 
Diferente da maioria dos designers de moda elas começam a criar com a matéria prima pré-determinada. De uma calça de alfaiataria surge um colete, de duas camisas um vestido. “O processo é muito desafiador. Gostamos de manter o DNA da peça original, afinal houve um esforço anterior, mantemos a costura, cortamos”, revela Agustina. Nascida em Montevidéu, ela mora há sete anos em São Paulo, ela está a frente da In.Use, que mantém com a sócia Ana Piriz, que mora da capital uruguaia. O desenvolvimento das coleções é feito via internet, por meio de webcam, e sites gratuitos de compartilhamento de fotos e documentos. “Cada uma fica em seu manequim fazendo moulage (técnica de modelagem feita diretamente no corpo). Chegamos a resultados que nunca conseguiríamos com o lápis e papel”, conta entusiasmada. A história da grife começou há três anos quando uma marca uruguaia propôs às duas criarem uma linha feita com sobras de estoque. A produção de peças da In.Use ainda é pequena, mas as duas já emprestam a expertise da reciclagem em palestras e worshops em faculdades de moda no Brasil e em outros países da América do Sul.

Já Gabriela Mazepa têm a missão de não deixar rastros da função primeira da peça transformada. Diferente da In.Use, sua marca, batizada de Conexão, tem a sua disposição uma produção em escala industrial. Vencedora de um prêmio que o governo inglês promove em alguns países do mundo para estimular iniciativas de moda, a estilista conheceu uma empresaria do Sri Lanka, com a qual fechou parceria. O país é um grande produtor têxtil e fabrica para marcas mundialmente conhecidas., e ao contrário da fama é muito rigoroso com as questões trabalhistas. “Algumas empresas já tiveram muitos problemas no passado e hoje são rigorosas com o cumprimento das leis trabalhistas”. Desde a época de faculdade ela gosta de trabalhar as possibilidades da reciclagem de tecido. “Em Londres, surgiu a oportunidade de desenvolver coleções para reaproveitar os excessos. Trabalho basicamente com malha. É um quebra-cabeça criar um molde que seja adaptável a qualquer situação”, explica. A estilista optou por apresentar sua primeira coleção em um stand na última edição do Fashion Business e animou-se com a recepção dos clientes brasileiros. “Todo mundo se impressionou porque as peças são básicas. E a história por trás delas conta muito. Tive algumas marcas interessadas. Agora vou buscar clientes aqui na Inglaterra também”, avisa.

Editora Globo

 
Em uma viagem justamente para Londres, Agustina se deparou com a vitrine Junky Styling, criada há 14 anos a marca é uma prima mais velha da In.Use e da Conexão. “Criar sobre o que já foi criado é uma nova forma de fazer moda. Como no começo do século XX surgiu o prêt-à-porter, e mudou a dinâmica do mercado, agora temos essa nova possibilidade de produção”, propõe a uruguaia. E o planeta agradece
 
Anúncios