Tags

, , , , , , ,

O tsunami que atingiu a região de Tohoku, no Japão, em março passado e matou cerca de 20 mil pessoas também mudou o dia a dia de um país acostumado a ver tudo funcionando. Quase tão rápida quanto a destruição, no entanto, foi a mobilização das pessoas, que se uniram em grupos de voluntários e adotaram pequenos sacrifícios cotidianos, como o racionamento de energia, por exemplo. Uma das iniciativas pós-tsunami surgiu espontaneamente e invadiu as redes sociais, com a força e a simplicidade de um viral de internet.

Editora Globo

Trata-se da palavra-chave #Thisisjapan (“isto é Japão”), usada por moradores do arquipélago para divulgar imagens do país na rede através do aplicativo Instagram. Apesar de já existir antes da tragédia, a hashtag ganhou um novo significado. Assim que começaram a aparecer, nos meses seguintes ao terremoto, imagens típicas do Japão – como cerejeiras em flor, templos xintoístas e pessoas de quimonos nas ruas -, a palavra-chave passou a significar que a vida retomava, aos poucos, o seu ritmo normal.

As fotos viraram uma maneira alegre de levantar a moral do país depois do baque. Tanto que, hoje, o #Thisisjapan é uma febre nas redes sociais e reúne muito mais do que templos e cerimônias. Mostra também a hora do rush, os pratos apetitosos de restaurantes e as festas. “Quero mostrar que vivemos saudáveis como todo mundo, tomando cerveja, andando de metrô e caminhando pela rua”, diz o jornalista japonês Takeshi Taniguchi, que mora em Tóquio e posta diariamente cenas da capital usando a hashtag. 

   Reprodução

Ele publica notícias em espanhol em seu perfil de Twitter e viu seu número de seguidores subir de algumas dezenas para 8,5 mil depois da tragédia, mas diz gostar do Instagram pelo caráter visual do aplicativo. “Posso postar e saber do que se passa no mundo sem falar inglês, chinês, francês, árabe, o que seja. A comunicação é totalmente visual”, afirma.

LIVRO A CAMINHO

Tantas imagens devem virar um livro cujo dinheiro das vendas será revertido às vítimas do terremoto. O projeto foi lançado em julho pelo belga radicado em Tóquio Johan Rooms, que dirige serviço de impressão de fotos do Instagram. “Foi nessa época que a atenção ao terremoto na região de Tohoku começou a cair”, diz ele, que bolou o livro como maneira de trazer o assunto à pauta do dia novamente. Ele pretende lançar duas versões do livro: uma digital e outra em papel. Como pagamento, aceitará qualquer quantia doada, mais os custos de envio para a versão impressa.

Para participar do projeto, é preciso ser usuário do Instagram ou picplz e fazer cadastro no site da Printo.jp. A partir daí, todas as fotos postadas com #Thisisjapan podem ser selecionadas para a obra

http://revistamarieclaire.globo.com/Revista/Common/0,,EMI261422-17598,00-HASHTAG+THISISJAPAN+UMA+PALAVRACHAVE+PARA+LEVANTAR+O+JAPAO+POSTERREMOTO.html

Anúncios